Pesquisa “Viver em São Paulo” analisa realidade da mulher paulistana Notícias

09/03/2018 10:00

Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, a Rede Nossa São Paulo, em parceria com o Ibope Inteligência, divulgou nessa quinta-feira (8/3) os resultados da pesquisa “Viver em São Paulo: Mulheres”, em um evento no Sesc Parque Dom Pedro.

Os resultados indicam que cerca de 1/5 das entrevistadas já sofreu algum tipo de preconceito ou discriminação por ser mulher no ambiente de trabalho. As mulheres da região Centro-Oeste da cidade foram as que mais denunciaram esse tipo de comportamento.

Das entrevistadas, 35% afirmaram já terem sofrido assédio sexual em algum momento do seu dia-a-dia: 25% dentro de transporte coletivo, 16% em ambiente profissional, 13% através de uma abordagem desrespeitosa (foi agarrada, beijada ou qualquer situação do tipo sem consentimento) e 4% dentro de transporte particular (táxi, Uber, entre outros).

A grande maioria (aproximadamente 95%) não precisou recorrer aos meios de denúncia de violência contra a mulher, como o Disque 180 ou Delegacias Especializadas de Atendimento a Mulher (DEAMs). Segundo Luanda Nera, coordenadora de comunicação da Rede Nossa São Paulo, o intuito da pergunta era avaliar se as mulheres viam esses canais como uma possível forma de lidar com as consequências das violências sofridas.

O cuidado dos filhos fica majoritariamente a cargo das mulheres. Três a cada dez mulheres é a única responsável pela tarefa. 43% dividem o cuidado dos filhos com outra pessoa, mas são as que mais ficam com as crianças.

Foram entrevistadas 428 mulheres acima de 16 anos, entre os dias 8 e 27 de dezembro do ano passado.

Confira a pesquisa completa aqui.